Bem Estar Cuide-se por Hospital Santa Paula

Dicas de saúde – Entenda mais sobre a paralisia do sono

photo-1531671379604-241cb92592fa

Na coluna de saúde de hoje aqui do LeBlog o Hospital Santa Paula trouxe informações sobre a paralisia do sono – uma experiência que acontece quando a mente desperta durante o sono, mas o corpo não. Por isso, a pessoa percebe que não consegue se mexer, ou que não consegue abrir os olhos. Essa sensação, em geral, pode durar de 3 a 10 minutos.
Para entender mais do assunto, o Dr. Bruno Funchal, neurologista do Hospital Santa Paula, explica que é necessário conhecer primeiro os estágios do sono:

“O sono é composto por várias fases e, algumas delas, nas transições entre estar dormindo e estar acordado, a divisão não é muito clara. Na paralisia do sono, a gente tem uma interrupção do comando motor do corpo, então, as coisas passam pela cabeça, mas o corpo fica completamente atônito, com a musculatura totalmente relaxada. A consciência está presente, mas a ligação com o corpo ainda não voltou”, explica.

Segundo o médico, esse distúrbio acontece durante a fase mais profunda do sono, o chamado REM (Rapid Eye Moviment, em português, movimento rápido dos olhos), e tende a ocorrer com mais frequência quando estamos muito cansados ou dormindo pouco, o que faz com que essa transição do sono para o estado de vigília não seja tão fluida e automática.

A condição também é muito comum em quem sofre de narcolepsia, doença crônica que provoca sonolência excessiva diurna, fazendo com que a pessoa durma durante uma conversa ou até em pé. “Esse é o caso mais típico: paralisia do sono associada à narcolepsia, mas também acontece em outras situações. Às vezes, pode acontecer sem algum desencadeante, então, qualquer pessoa pode ter”, explica o neurologista.

Segundo ele, outros fatores, como ingestão alcoólica; ansiedade; depressão; transtorno de estresse pós-traumático e síndrome do pânico fazem esse quadro ser mais frequentes. Ainda de acordo com o médico, é no período da transição da adolescência para a fase jovem adulto – faixa etária da apresentadora Maisa – que isso tende a acontecer mais constantemente.

Há motivos para preocupação?

Apesar da sensação estranha, não há motivos para se preocupar na maioria das vezes, apenas se essa situação for muito recorrente e trouxer ansiedade muito extrema e medo. “Aí, a gente tende a tratar de uma forma mais específica”, afirma Funchal.

Tratamento

Em casos extremos de paralisia do sono, o tratamento envolve investigar a causa e tratá-la. “Envolve a psicoterapia, se tiver um quadro ansioso muito importante ou medicações que tratem o quadro de ansiedade ou depressivo. Além disso, é importante ter uma rotina de sono adequada, ter um horário certo para ir dormir e um horário certo para acordar”, conclui o neurologista.

Fonte: Bruno Funchal, neurologista do Hospital Santa Paula, e portal Catraca Livre.

Para mais dicas de saúde e bem-estar, clique aqui.