Gastronomia Itália Sardenha Viagens Viagens de lua de mel

Itália – Roteiro de 6 dias pela Sardenha

dest

Nossa amiga e colunista aqui do LeBlog Larissa Baptista trouxe um roteiro de 6 dias pela Sardenha provando que é possível viajar para destinos europeus paradisíacos sem gastar muito!

A Sardenha, pertencente à Itália, é a segunda maior ilha do mar Mediterrâneo. Ela está ao sul de Córsega, na França e ao norte da Tunísia.

Os aeroportos da ilha estão em Cagliari (capital) com os voos mais baratos operados pela Ryanair, em Ólbia (aeroporto mais próximo da Costa Esmeralda e o principal destino turístico) e Alghero (também ao norte da ilha).

Encontrei poucas informações nos blogs sobre a Sardenha e principalmente de como conseguir conhecer quase toda a ilha em pouco tempo.
Muita gente acaba fazendo em uma viagem apenas para a Sardenha, porque realmente a ilha é muito grande, ou mesclando Sardenha e Sicília, que na minha opinião não faz tanto sentido porque a Sicília está longe da Sardenha e os voos entre uma ilha e outra precisariam de uma conexão no continente (normalmente em Roma).
Talvez um roteiro para quem queira encaixar a Sardenha com outra ilha seja conhecer também a ilha de Córsega, pertencente à França, mas a apenas 50 min de ferry saindo de Santra Teresa di Gallura (Sardenha) para Bonifacio (Córsega). Também existe ferry saindo de Porto Torres (Sardenha) para Propiano (Córsega), mas o trajeto leva 5 horas.

Veja nosso roteiro de 6 dias pela Sardenha

Dia 1: Cagliari -> Cala Gonone

Dirigimos por cerca de 2 h 40 min de Cagliari até Cala Gononeque foi onde passamos a primeira noite na ilha. Também seria possível ter ido de trem + ônibus até Cala Gonone, mas pelo pouco tempo que tínhamos e como estávamos em 3 pessoas era mais válido alugar um carro.
Acho que ir até Cala Gonone é fundamental porque o Golfo Di Oroseié muito bonito e os passeios de barco saem todos de Cala Gonone.

Cala Luna 1

Uma das várias cavernas em Cala Luna, uma das praias que paramos no passeio pelo Golfo Di Orosei

Nos hospedamos no Bed & Breakfast Stella Maris que foi ótimo; era na verdade uma casa completa com cozinha, sala, dois quartos, banheiro e varanda. Não existem grandes redes de hotéis na cidade e é bom ficar próximo ao porto que é onde se concentram os restaurantes e de onde saem os passeios de barco.
Passamos parte da tarde na praia mais bonita acessível de carro chamada Cala Fuili. O acesso para a praia é por uma escadaria, mas não é preciso nenhum calçado especial. A praia é de pedrinhas e não de areia, então para quem tiver aquelas toalhas de praia mais grossas, pode levar. Na praia não existe nenhuma infraestrutura.

Cala Fuili vista de cima

Dia 2: Cale Gonone (Golfo Di Orosei)

No dia anterior reservamos um passeio pelo Golfo Di Orosei por 40 euros por pessoa; existem várias empresas fazendo basicamente o mesmo trajeto; o ideal são os tours com até 12 pessoas – particularmente não gosto dos passeios de barco com 60 pessoas e horários pré estabelecidos para fazer tudo (para quem gosta esse mesmo passeio sai de 15 à 25 euros por pessoa, conforme a época do ano).
As praias do Golfo di Orosei não são acessíveis de carro, somente de barco. Também é possível alugar por 160 euros + a gasolina um gommone (barco) privado sem o skipper (marinheiro), porque o trajeto é relativamente fácil, mas preferimos não arriscar.

Mergulho no GOlfo Di Orosei
Paisagens do Golfo Di Orosei 1
Paisagens do Golfo Di Orosei 2

Para quem for com roteiro fixo, existem dias que por condições climáticas não é possível fazer o passeio pelo Golfo Di Orosei, então o ideal seria passar mais de um dia na cidade para não correr o risco de ir até lá e não conseguir chegar nas principais praias.
Nesse mesmo dia, depois do passeio pelo Golfo Di Orosei saímos de Cala Gonone com destino à Porto Rotondo, onde nos hospedamos por uma noite.
Jantamos no restaurante L´Osteria com reserva feita pelo Trip Advisor com 20% de desconto no valor total da conta e foi muito bom, todos os pratos estavam uma delícia e não era tão caro quanto outros restaurantes da cidade.

Dia 3: Praias da Costa Esmeralda

Adotamos Porto Rotondo como base para explorar as praias da famosa Costa Esmeralda, mas poderia também ter sido Ólbia (uma cidade maior que acabamos não conhecendo) ou Porto Cervo, que também tem passeios que vão para Ilha Maddalena e pode ser uma opção para quem não quiser se hospedar em Maddalena ou em Porto Cervo.
Porto Rotondo é bem bonitinha, mas os preços são mais inflacionados do que nas demais cidades da Sardenha.

Untitled-1

Passamos na Spiaggia dei Sassi e na Spiaggia Alghe (não valem muito à pena), na Spiaggia de Ira onde passamos um tempo.
Passamos um tempo também na praia de Capriccioli, onde almoçamos no restarante Il Pirata (muito bom e mais barato do que os dois bares que ficam na praia).
Saindo de Capriccioli fomos para Sppiagia del Principe, que é uma das mais famosas praias da Costa Esmeralda e terminamos o dia na Spiaggia Pevero.
As praias mais bonitas estão mesmo mais perto de Porto Cervo (que são Capriccioli e Príncipe) por isso talvez uma melhor opção seria ficar em Porto Cervo e não em Porto Rotondo.

Capriccioli
Sppiagia del Principe 2

Ao final deste dia nos deslocamos por 40 minutos de Porto Cervo (última praia que visitamos) até Palau, de onde pegamos a balsa até La Maddalena.

spaguetti com vongole e bottarga (restaurante Il Pirata em Capriccioli) (2)

Prato comum na Sardenha: Spaguetti com Vongole e Bottarga (restaurante Il Pirata em Capriccioli)

Dia 4 e 5: La Maddalena

Fizemos as praias de Caprera (acesso se dá por carro por uma ponte que conecta Caprera à Maddalena) e demos a volta na ilha de La Maddalena já no pôr do sol e recomendo fazer os dois, em Caprera estão as praias mais lindas de Maddalena e são acessíveis de carro, as demais ilhas próximas de Maddalena não são habitadas e só dá para chegar de barco, então no 5º dia alugamos um gommone com o skipper (marinheiro) e fizemos o passeio privado que eu recomendo bastante.
Esse passeio foi 230 euros com um tanque de gasolina cheio (não precisamos de mais do que isso), mas também vimos empresas que cobravam esse mesmo gommone por 450 euros e também um barco maior de 10 pés por 550 euros, para quem estiver em grupos maiores vale muito a pena.
O passeio com 60 pessoas custava 40 euros por pessoa e acho que a economia nesse caso não vale; com o barco privado dá para parar onde e por quanto tempo desejar, sem tempo para sair/ retornar para o barco. Fazer um passeio privado é uma experiência completamente diferente de fazer o passeio em um tour com dezenas de pessoas e roteiro pré-estabelecido; se você já gastou com passagem internacional, troca de moeda, hospedagem etc, não acho que a economia nesse caso seja válida (e olha que eu sou do time dos que viajam de forma econômica).
No final do 5º dia partimos de La Maddalena para Alghero, de onde partiria nosso voo de volta para Roma. A viagem dura cerca de 2 h 30 min.

Pausa em uma praia da Isola Spargi (uma das ilhas mais bonitas da Sardenha) – acesso apenas de barco

Dia 6: Alghero

Me hospedei no hotel Soleado, bem na frente da praia e com ótimo custo benefício, o quarto para 3 pessoas foi 61 euros com café da manhã incluso (foi aliás o melhor café da manhã da viagem, mas não espere nada como os cafés da manhã aqui no Brasil).
Fomos até La Pelosa, que é uma das praias mais famosas da Sardenha e realmente faz jus à fama de uma das praias mais belas da Itália (mesmo estando cheia). Vale chegar cedo para conseguir estacionar o carro e pegar a praia mais vazia; nós chegamos por volta de 10:3o e se tivéssemos chegado um pouco antes estaria bem mais vazia.

Na praia é obrigatório usar embaixo da canga ou toalha uma esteira, caso contrário pode-se levar uma multa de 100 euros por canga/toalha. Nós não tínhamos essa esteira (existem pessoas vendendo-as na rua) e ficamos no mar e nas pedras, mas para quem for passar o dia na praia é melhor ter a esteira.

Regras de La Pelosa

Essa esteira é, segundo informações da polícia ambiental, para evitar que a areia da praia seja removida a fim de preservar a praia.
Eles multam mesmo, vimos alguns policiais procurando as cangas na areia que não tinham a esteira embaixo e por sorte estávamos no mar enquanto passaram pelas nossas coisas. Muitas vezes os policiais avisam antes de multar, mas é bom deixar o alerta para que ninguém tome essa multa salgada por lá.

Voltando de La Pelosa já tive que pegar um voo de volta para Roma, já as meninas ainda passaram mais um dia e aproveitaram a praia de Alghero (Spiaggia del Lido di Alghero) que é bem bonita, com areia clarinha e mar azul e também o centrinho que é uma graça.
Uma outra dica é: experimente Culurgiones que é uma massa, especialidade culinária típica da região de Ogliastra e difundida em toda região da Sardenha;

Culurgiones e vinho

É possível conhecer a Sardenha em pouco tempo, sugeriria chegar direto pelo aeroporto de Ólbia (e não por Caligari) e retornar por Alghero (ou mesmo o inverso, chegar por Alghero e sair por Ólbia), pois todas as principais praias e cidades estão no norte. Eu só realmente cheguei por Caligari porque a passagem era muito mais barata e compensaria, mas foram quase 3 horas dirigindo até Cala Gonone.
Já para quem tiver mais tempo vale a pena passar mais dias em cada cidade e aproveitar mais tempo em cada praia (todas são maravilhosas).
A Sardenha é incrível e para todo o tipo de vigem, entre amigos, para casais, lua de mel, famílias… enfim, não há como não aproveitar o destino.

Meu roteiro foi saindo de Roma para Cagliari em um voo da Ryanair, onde alugamos um carro no aeroporto mesmo (reservado antecipadamente). Ter um carro na ilha é fundamental, até existe trem entre uma cidade e outra, mas para se locomover para as praias e entre as cidades menores é essencial um carro.
Fui em setembro de 2019, já no começo da baixa temporada e não reservei nenhum hotel antes de chegar à cidade de destino, mas não recomendo que se faça isso nos meses de junho, julho e agosto, que são mais cheios devido às férias de verão no hemisfério norte.
Achei setembro um ótimo mês para visitar a ilha, que já não está tão cheia, continua bem quente (mas não tanto quanto no auge do verão) e os preços caem.

Clique aqui para mais dicas da Itália!