Viagens

POSTAGENS RECENTES

VER RESUMOS

Echo Park é um bairro muito charmoso em Los Angeles. Um pouco mais afastado do burburinho do distrito financeiro e das praias turísticas. Hoje já são mais de 43 mil residentes neste bairro que oferece tranquilidade, uma bela paisagem, natureza e estabelecimentos com toque moderno.

echo-park

Um lago de encontra no centro do distrito e o parque está ao seu redor. Echo Park Lake é um pequeno parque urbano onde muitos amantes da natureza encontram. O local tem cerca de 100 anos de existência e recebe todo o tipo de gente. Famoso por seus altos coqueiros, tem visão para o centro de L.A. e é um lindo refúgio para relaxar e entrar em contato com a natureza.

echo-park5

Para quem estiver procurando também locais para se hospedar em L.A., esse bairro é uma opção muito boa para fugir da correria dos centros turísticos da cidade e ainda assim aproveitar tudo que ela pode oferecer. Quando em Los Angeles, o LeBlog ficou por lá e amou esse distrito com cara de lar.

echo-park3 echo-park2

Echo Park Lake, Los Angeles, CA 90026, EUA

Para mais dicas da Califórnia, clique aqui.

Inspirado no Les Deus Cafe em Hollywood, o Upstairs é um rooftop bar com vista privilegiada para o centro de Los Angeles. O bar mais parece um oásis urbano nas alturas. Com uma piscina de concreto e as luzes da cidade por todos os lados, fica no topo do Ace Hotel.

Visitamos o bar por indicação de amigos e gostamos logo de cara! Chegando no local, uma pequena fila se formava no estacionamento. Entramos em menos de 30 minutos, uma espera totalmente aceitável, principalmente para os paulistanos. Subimos pelo elevador com estilo Ar Deco e detalhes em mármore e metal, e assim que as portas se abriram, tivemos a impressão de termos sido transportados para o mundo do Upstairs.

upstairs-5

A casa estava cheia e a música seguia no estilo Motown dos anos 70, comandada por um D.J. As pessoas estavam realmente se divertindo, algumas dançando e outras conversando pelas mesas, balcão e sofás na área externa.
O clima descontraído e agradável perfeito para quem gosta de dançar ou bater papo com os amigos.

Na pequena piscina na area externa, hóspedes e clientes do bar observavam a vista dos arranha-céus do centro da cidade que pode ser apreciada de varios ângulos curtindo a brisa fresca do verão da California.

O menu oferece várias opções de petiscos como Tábua de Queijos e Chips, Quesadilla de Porco, Guacamole e Salada de Camarão, entre outros. O menu é servido de 12hs às 22hs. As bebidas se dividem entre não alcoólicos, cervejas, vinhos e os drinks, desde os clássicos até os assinados pela casa.

upstairs-2

Eventos com bandas ao vivo, DJs, lançamentos de livros e colaborações criativas estão sempre acontecendo no Upstairs. No site do bar é possível conferir a programação, ou fazer como o LeBlog e ser positivamente surpreendido com o que estiver rolando por lá no dia de sua visita.

upstairs-1

Aberto ao público todos os dias das 11h as 02 da manhã.

929 S. Broadway, Los Angeles, CA 90015.

Para mais dicas da California, clique aqui.

Em uma viagem partindo de São Francisco para o norte da Califórnia, o LeBlog passou por Point Reyes National Seashore, uma região cuidada pelo Park Service dos Estados Unidos que fica na Peninsula de Point Reyes, em Marin County. Um lugar muito especial e preservado.

A viagem de São Francisco para lá dura pouco menos de 3 horas, e vale cada segundo. Se aproximando da reserva, não há sinal de celular, mas o google maps dá conta de indicar o caminho (se carregado antes). Depois da cidade turística, não há posto de gasolina por perto, por isso é bom encher o tanque por lá para garantir.
O destino do LeBlog foi o farol de Point Reyes, que fica na pontinha do mapa. Se aproximando do local, a paisagem do verão californiano deu lugar a muita neblina e vento.

point-reyes1

As estradas cheias de curvas e as colinas com gado lembram cenários que só são vistos na Groenlândia, Islândia, ou coisas do tipo. Aquela filosofia de que a jornada é mais importante que o destino é facilmente aplicada por lá. A vontade é de parar a cada curva para apreciar a paisagem bucólica.

Nos meses de verão, os turistas com carros podem dirigir até o estacionamento de visitantes, próximo ao Farol. O site conta que nos meses de inverno um ônibus leva os viajantes até lá. De qualquer forma, visitar o site no dia da visita é importante. A estrada pode ser fechada a qualquer momento por condições climáticas como fortes ventos e neblina densa.

point-reyes2

No dia da nossa visita, durante o verão, deixamos o carro no estacionamento e fomos ao encontro do Farol a pé, única maneira permitida de prosseguir caminho. Quando o estacionamento lota, os carros de tamanho normal são permitidos estacionarem no acostamento da estrada. Também vimos muitos ciclistas por toda estrada de asfalto, mas a partir do estacionamento é preciso seguir caminhando.

point-reyes3

A caminhada até o famoso Farol dura alguns minutos. O tempo por lá é distorcido pela beleza ao redor, pelo vento fortíssimo e pelo frio. O casaco corta-vento salva o passeio nessa hora! Não sabemos dizer quanto tempo levamos do carro até o farol, mas a distância é pequena e recheada de beleza, como árvores que “fazem chover” devido tanta umidade, e as cabanas pelo caminho com cara de abandonadas. Há um visitors center com informações e imagens, além de souvenires.

Seguindo o caminho de menos de 1km encontramos a escada que dá acesso ao farol, são muitos degraus, 308 ao todo. Mas isso deixamos para pensar na volta. Pessoas de todas as idades sobem e descem o percurso, e nesse momento a neblina foi deixando o mar protagonizar a vista. Nesse momento, já estamos na extremidade da costa, e o som das ondas se mistura com o do vento ainda muito forte.

point-reyes4

A cada degrau abaixo, o horizonte foi graciosamente aparecendo cada vez mais nítido, junto com o sol e os olhos marejados por tamanha beleza. Chegando ao farol, podemos ver por dentro (sem tocar) o mecanismo que guiava os barcos a noite. Uma pequena sacada permite com que os visitantes deem uma volta 360º antes de se preparar para a subida.

point-reyes5

Cada degrau da volta ficou esquecido já que o corpo inteiro estava concentrado nos olhos, em registrar e apreciar tudo. Pudemos ver até alguns leões marinhos no mar! O rolo da câmera também esteve ocupado, registrando cada rocha, cada pedaço do lugar.

point-reyes6

No caminho de volta para o carro, a paisagem parecia outra. O vento soprou a neblina embora e agora já era possível ver a linha da praia que parece mais um caminho infinito das ondas acabando na areia. O cenário é todo grandioso, muito maior do que a lente da câmera mostra! Para se ter uma ideia, na foto abaixo aqueles pontos escuros são pessoas.

point-reyes7

De volta para o carro, apreciamos o caminho de volta e, seguindo as placas, logo obtivemos sinal para prosseguir viagem.
O objetivo agora é voltar e passar mais tempo por lá: há opções de hiking, camping e outras atividades no Parque Nacional que é uma jóia escondida na ponta da costa leste.

Para detalhes do clima, estradas e regras do local, visite o site.

Para mais dicas de passeios pela Califórnia, clique aqui.

São Francisco é uma das cidades mais visitadas na Califórnia. As ladeiras e casinhas no estilo “Full House” fazem essa pequena cidade parecer ter saído de um filme. Os mais de 30 parques públicos na cidade mostram o quanto os moradores valorizam uma boa caminhada ao ar livre, um passeio com o cachorro, um piquenique em família. O cenário é completo pela linda Bay Area e a famosa Golden Gate Bridge, passeios também indispensáveis na cidade.

golden1

O Golden Gate Park é um imenso espaço de lazer e cultura. Dentro dele há museus, parques, jardins e muita natureza. Para conhecer todo o parque, seriam necessários mais de três dias! Os lugares escolhidos pelo LeBlog para algumas horas de visita foram o Jardim Japonês e o Conservatório de Flores

Para chegar ao parque, a oferta de ônibus é boa, e rotas por toda cidade te levam para lá. Uma boa opção também é chegar de Uber ou Lyft. Quem estiver pela cidade de carro alugado, é recomendado deixar o carro hotel e ir de transporte alternativo. É difícil e demorado arranjar um lugar para estacionar.

Chegando ao Golden Gate Park, já é possível ver as pessoas praticando esportes, passeando com o cachorro e aproveitando o delicioso espaço ao ar livre. Para transitar de uma area a outra do parque, esteja disposto a longas caminhadas, já que o espaço é grande. O ambiente cheio de vida, entretanto, faz qualquer longa caminhada passar super rápido.

golden9

A primeira parada do passeio foi o Jardim Japonês. Com uma pequena fila para adquirir o ingresso de 9 dólares, adentramos o espaço que parece um pequeno Japão dentro da Califórnia. Para entrar de forma gratuita, basta chegar bem cedo pela manhã, entre 9h e 10h.

golden1

A atmosfera Zen faz desse passeio um momento tranquilo e cheio de paz. Desde a entrada nos deparamos com arquitetura japonesa em portais e passagens, as cores são de encher os olhos.

golden2

Um lago oferece trilha sonora relaxante e um belo espelho d’água onde as belas formas se refletem em duas. As famosas carpas podem ser vistas por todo o lago, colorindo com cores douradas que tem tudo a ver com o clima oriental.
A vegetação é lindíssima, com bonsais e árvores típicas muito bem cuidadas e podadas. Há também uma casa de chás e uma loja de presentes no local.

golden3

Depois do Jardim Japonês, caminhamos até o Conservatório de Flores. Antes de adentrarmos na estufa gigante, existe um lindo parque em frente a estrutura de vidro e aço. Se a agenda do dia der espaço, aproveita para estender uma canga e aproveitar o sol, fazer um piquenique, conversar e observar o movimento. O lugar é lindo demais!

golden4

Depois de pagar o ticket de 8 dólares sem filas, entramos na imensa estufa que nos transporta para uma floresta tropical. Até mesmo os sons do local remetem à natureza selvagem! Em cada ala é possível observar plantas de diferentes ecossistemas. O clima é quente e úmido, o que acaba dando um descanso do vento frio do lado de fora, já que em São Francisco, mesmo o verão é um pouco gelado para nós brasileiros.
Um detalhe muito interessante é que por onde houver uma espécie de planta, lá estará também a plaquinha indicando a espécie e muitas vezes uma breve explicação sobre aquela planta.

golden5

Além do lugar ter muito verde, há também muitas espécies de flores tropicais, como orquídeas e bromélias. É engraçado reconhecer muitas espécies que são comuns para brasileiros, mas uma raridade para os países não-tropicais. O teto de vidro deixa a luz do sol entrar, iluminando o local de uma forma toda especial. No momento certo do dia, os vitrais capturam a luz do sol e refletem cores pelas folhas verdes, parece mágica.

golden8

Uma outra ala do Conservatório é o borboletário. O lugar é cercado de cortinas de tela, que mantém uma vasta gama de espécies desse inseto alado em uma espécie de santuário.  A vontade é de não sair mais de lá, e ficar somente registrando com a câmera cada pouso, cada batida de asa. Eles possuem no borboletário mais de 20 espécies. Algumas super raras, como as monarcas, que geralmente ficam no teto e não dão muito o ar da graça. No dia fomos presenteados com uma das borboletas pousando em nossa amiga que era a aniversariante do dia – o presente perfeito!

golden6

Depois de muitas horas pelo Golden Gate Park, deixamos o local com uma vontade de ver mais. Um bom motivo para voltar! Para moradores ou turistas, o lugar é perfeito para relaxar e encher os olhos de beleza.

Além da natureza, a gratidão de visitar o local vem das pessoas que dão mais vida e movimento ao ambiente.
Um parque para visitar sempre que passar por São Francisco.

Para mais dicas de viagem pela Califórnia, clique aqui