Gastronomia

POSTAGENS RECENTES

VER RESUMOS

Aconteceu ontem na Casa Manioca um almoço muito especial da Veuve Clicquot junto ao Chef de Cave da Maison, Dominique Demarville que veio para São Paulo especialmente para o lançamento da Veuve Clicquot Extra Brut Extra Old – uma champagne produzido a partir de uma das maiores coleções de vinhos de reserva da região de Champagne.

O champagne Veuve Clicquot Extra Brut Extra Old é um vinho totalmente autoral que nasceu do desejo de Dominique de identificar a essência do Yellow Label. É um champagne ultra-premium de dupla maturidade e dosagem muito baixa, de inigualável pureza e intensidade.

veuve1

A chef Heleza Rizzo preparou um menu especial cheio de ingredientes brasileiros para harmonizar com 6 champagnes da Maison. O resultado foi surprendente.

Sergio Degesse

Sérgio Degese (diretor geral da Veuve Clicquit Brasil) com a Helena Rizzo e Dominique Demarville

A Veuve Clicquot guarda em suas caves em Reims uma extensa biblioteca de vinhos de reserva que são o coração da sua identidade, a personificação do estilo e dos valores da maison. Os vinhos de reserva selecionados para a criação deste novo champagne presta tributo do icônico Clicquot Brut Yellow Label. Para o Chef de Cave, que reuniu seis anos dos principais vinhos de reserva da Clicquot abrangendo mais de três décadas (1988 a 2010), “o Extra Brut Extra Old é a essência mais pura da Maison Veuve Clicquot, combinando os seus valores-chave: savoir-faire, tradição e inovação”. 

Extra Brut Extra Old é intenso e poderoso, equilibrando sua profundidade com uma pureza mineral fresca tradicionalmente associada à suavidade do Yellow Label. A sua personalidade o torna um champagne muito adaptável, harmonizando bem com pratos leves e delicados, e também com culinária mais rica em sabor.

Para quem já está se perguntando quando este must have chega no Brasil eu digo já! No final de junho ao preço de R$ 650,00.

Clique aqui e veja mais posts como este!

Para  a coluna de vinhos deste mês a Decanter selecionou alguns vinhos Anselmo Mendes. Ele é considerado um dos mais talentosos enólogos de Portugal, e tem sob sua responsabilidade alguns dos melhores e mais afamados vinhos da região do Douro e do Minho (Vinhos Verdes).

A sua ligação sentimental com a Alvarinho, casta principal dos Vinhos Verdes, fez com que adquirisse uma pequena vinha colinar na zona de Monção, onde está produzindo e dignificando a casta do coração a níveis inimagináveis. Anselmo obteve o galardão máximo de “Enólogo do Ano” pela Revista de Vinhos, em 1997.

vinhos-fevereiro

Anselmo Mendes Muros Antigos Escolha 2016

Cor palha, reflexos esverdeados. Muito puro no nariz com citrinos, ervas e mineral. Ótima textura na boca, expansivo nos aromas de boca, fresco e muito persistente.

Anselmo Mendes Loureiro Muros Antigos 2016

Cor palha com tons esverdeados. O caráter da casta está bem marcado com citrinos, flor de laranjeira e pederneira. Mediano de corpo, com acidez graciosa, mineral e com ótima persistência.

Anselmo Mendes Alvarinho Muros Antigos 2016

Cor palha de média intensidade. Mostra os citrinos (lima, tangerina) em primeiro plano, algum fruto tropical (abacaxi) e mineralidade cativante. Cheio e cremoso, mas também tenso na acidez, final longo.

Para mais dicas de vinhos, clique aqui.

Para as dicas de vinho deste mês a Decanter escolheu ótimos rótulos de Malbec uma das minhas uvas preferidas e que costuma agradar em cheio o paladar dos brasileiros.

A vinha Malbec encontrou na Argentina seu terroir perfeito com clima continental moderado do país. Na Argentina os vinhos são exuberantes, os aromas são governados pela fruta madura, seguidos por uma boca generosa e “doce” nos taninos, que se fundem muito bem com uma carne grelhada malpassada. Na França os vinhos são mais austeros, em resumo.

Confira os rótulos sugeridos com aromas marcantes que farão sucesso com pratos de cozimento longo como cassoulet.

dec-jan-1

Las Moras Reserva Malbec 2016 – R$ 66,60

Maduro e impactante com camadas de fruta, chocolate e tostado. Macio, carnudo, com bom frescor, persistente. Passou 12 meses em barricas de carvalho francês e americano. Casa bem com: Caçarola de pequenas aves. Cordeiro refogado com legumes diversos, especiarias, vinho tinto e menta. Bistequinhas suínas assadas com alho e alecrim, servidas com palmito pupunha na manteiga.

Amalaya Malbec Magnum 2016 (1.500ML) – R$ 163,00
No nariz a fruta (cereja, morango) está muito fresca, seguida de violeta e pimenta branca. Sedoso, copioso na fruta, mas fresco e equilibrado. Estagiou 10 meses em barricas de carvalho francês de segunda passagem para 40% do vinho. Casa bem com: Músculo estufado com legumes aromáticos, páprica e ervas terrosas, churrasco/parrilla, linguiça defumada condimentada com erva-doce.

dec-jan2

Las Moras Black Label Malbec 2015 – R$ 99,00
Cor purpúrea luminosa. Apresenta cereja madura, violeta e amoras, também café e chocolate do longo contato com a barrica. Boa concentração da fruta na boca, com taninos bem finos. 15 meses em barricas novas de carvalho francês e americano. Casa bem com: Picanha na brasa ao molho chimichurri. Confit de pato com caramelo amargo. Queijos duros (Grana Padano, Parmigiano Reggiano, etc).

Château Lagrêzette Malbec Purple 2014 – R$ 93,30
Produtor está há mais de 500 anos elaborando em Cahors, na França, o berço da uva Malbec. Este vinho apresenta cor purpúrea muito luminosa. O nariz é direcionado por pequenas bagas vermelhas, alcaçuz e com alguma oxigenação surge o floral do Malbec. Estruturado e moderno, muito atraente na sua juventude cheia de fruta enérgica. Experimente com um belo Entrecôte mal passado ao molho de cogumelos ou com Ossobuco. Perfeito também com churrasco.

Para mais dicas de vinhos, clique aqui.

Mais um ciclo se encerra e com ele, muitas comemorações. Seja para deixar o que passou para trás ou celebrar as conquistas, um brinde feito com vinhos de qualidade sempre deixa o Natal e Ano novo mais completos! A Decanter compartilha com o LeBlog uma dica que é o Glen Carlou, um dos nomes certeiros na produção de vinhos sul-africanos dentro do vale de Paarl.

A propriedade foi adquirida pelo colecionador de arte suíço, Donald Hess, em 2003. Desde então, novos projetos começaram a ser desenvolvidos na parte de viticultura com seleção de porta-enxertos, novos clones e redução de rendimentos no intuito da máxima expressão do terroir. Na cantina a equipe do enólogo Arco Laarman, largamente experimentada em outras regiões vinícolas, está focada e atenta a elaborar vinhos que aliam a pureza e intensidade do Novo Mundo, com a complexidade e frescor dos caldos europeus.

GLEN CARLOU GRAND CLASSIQUE 2012

Utilizando o corte clássico de Bordeaux conseguiu reproduzir a classe da região francesa que somado à exuberância comum aos vinhos sul africanos resultou em um vinho maravilhosamente insólito!
dec-dezemb1

GLEN CARLOU SAUVIGNON BLANC 2014
Revela-se cítrico e tropical no nariz, herbáceo e mineral. Leve, suculento e perfeitamente balanceado.
dec-dezemb2

 

GLEN CARLOU SYRAH 2010
O aroma é complexo e potente, com frutas negras maduras, couro, especiarias doces (anis), chocolate e folhas de chá. Muito rico em boca, textura envolvente, taninos e frescor em perfeita integração. Longo final especiado.
dec-dezemb3

 

Para mais dicas de vinhos, clique aqui.