Bem Estar

O verão ainda é a estação vigente no momento e os cuidados devem continuar mesmo com a rotina de volta ao trabalho ou estudos. Seja no dia a dia ou no fim de semana na praia, o verão cuidados referentes à pele, à hidratação, à alimentação e até aos cabelos.

O Dr. Paulo Rocha, clínico geral e coordenador do Pronto-Socorro do Hospital Santa Paula e mais um time de especialistas dão dicas para se aproveitar bem a estação mais quente com saúde.

Hidratação do corpo no verão

A desidratação ocorre pela falta de equilíbrio entre a perda de líquidos do corpo e a ingestão de água. Ou seja, a reposição de líquidos no corpo não é suficiente; não se bebe água o bastante.

Quais são os sinais de alerta: Dor de cabeça, queda de pressão, palpitação, diminuição das idas ao banheiro para fazer xixi, xixi concentrado demais (em um tom amarelo escuro)

O que fazer: Repor os líquidos do corpo. Em um quadro de desidratação, o indicado é beber, por dia, de 60 a 80 ml de água por quilo do peso (ou seja, uma pessoa que pese 70 kg deve beber de 4,2 l a 5,6 l de água por dia) até os sintomas sumirem. Não é raro a própria desidratação causar vômitos quando a pessoa tentar beber água, impedindo a reposição de líquidos; nestes casos, é importante ir ao pronto-socorro para fazer a hidratação intravenosa, o popular soro na veia.

Como evitar a desidratação: Mantendo a hidratação do organismo adequada, bebendo água o dia todo. Sem estar com desidratação, deve-se beber cerca de 3 l de água por dia. Se precisar, coloque um alarme no seu celular para lembrar de beber um copão d’água a cada hora.

Alimentação no verão
Intoxicações alimentares podem ocorrer por uma reação do organismo a toxinas geradas por vírus e bactérias nos alimentos ingeridos. Alimentos expostos por muito tempo em espaços abertos (em restaurantes por quilo, por exemplo) ou mal acondicionados em cozinhas (fora de geladeiras ou congeladores) estão mais sujeitos a causar intoxicação alimentar.

Quais são os sinais de alerta: Dor de barriga, cólica, diarreia, sudorese, palidez, desidratação, queda de pressão, aumento da frequência cardíaca, sangue nas fezes.

O que fazer: Se os sintomas forem fracos e diminuírem com hidratação, apenas esperar que eles desapareçam. Caso haja diarreia aguda e sintomas fortes que não diminuam em um dia, deve-se ir ao pronto-socorro para investigar se trata-se de um caso viral ou bacteriano e tratar com medicamentos, além de tomar soro na veia.

Podemos evitar mal estar não comendo em restaurantes cuja higiene seja suspeita; mantendo os alimentos da sua casa bem acondicionados em geladeiras e congeladores.

Nossa pele no verão
– Queimaduras na pele ocorrem por falta de uso de protetor solar ou de reaplicação dele, e também pela exposição ao sol sem proteções físicas (chapéus, bonés), especialmente nos horários de maior incidência de raios ultravioletas (das 10h às 16h).

Quais são os sinais de alerta: Ardor na pele, vermelhidão (vale para todos os tons de pele, viu?), dor ao toque na pele.

O que fazer: Hidratar muito a pele com cremes, evitando hidratantes com perfume, que podem causar irritação neste estado delicado. Fazer compressas de água ou de chá de camomila gelados ajuda a aliviar o desconforto. Em geral, não é necessário ir ao pronto-socorro; só faça isso quando houver desidratação severa associada.

Como evitar queimaduras na pele: não se expondo ao sol novamente sem protetor solar e reaplicando-o a cada duas horas ou depois de um longo mergulho no mar ou na piscina; usando chapéu ou boné quando se expuser ao sol; evitando a exposição ao sol entre as 10h e as 16h.

– Queimadura de sol com bolhas ocorre pela exposição exagerada ao sol sem protetor solar ou proteções físicas, especialmente nos horários de maior incidência de raios ultravioletas (das 10h às 16h). Quando isso acontece, devemos tomar os mesmos cuidados relacionados às queimaduras simples de sol e ir ao pronto-socorro para fazer um tratamento medicamentoso específico para os sintomas e, possivelmente, fazer hidratação com soro na veia. Na primeira oportunidade, consultar-se com uma dermatologista para fazer um tratamento que garanta a cicatrização uniforme da pele e evite o surgimento de manchas.

Reação da pele a produtos inadequados pode ocorrer por conta do uso de produtos com ingredientes inadequados por exemplo. Vale para cremes, protetores solares, pomadas, géis e maquiagem.

Quais são os sinais de alerta: Mudanças negativas nas características da pele, coceiras, manchas, inchaços. Produtos para peles oleosas usados em peles secas, por exemplo, podem causar um ressecamento exagerado, assim como produtos destinados a peles secas podem deixar o sebo das oleosas ainda forte.

O que fazer: Lavar a região com água corrente em abundância, fazer compressas com água ou chá de camomila gelados e, em casos extremos, tomar um antialérgico sob a recomendação de um farmacêutico ou de um médico. Ir à dermatologista para tratar os sintomas e evitar manchas e cicatrizes.

– Picadas de inseto que inflamam podem ocorrer porque o organismo reage às toxinas deixadas na pele por pernilongos, borrachudos, marimbondos ou abelhas.

Quais são os sinais de alerta: Coceira, vermelhidão local, inchaço, dor, surgimento de pus na ponta da picada

O que fazer: Aplicar pomadas com corticoides para aliviar os sintomas e, se necessário, tomar um medicamento antialérgico sob a recomendação de um farmacêutico ou de um médico. Não é necessário ir ao pronto-socorro, a não ser que a inflamação comece a crescer descontroladamente ou que haja uma reação alérgica forte (mais comum nos casos de picadas de abelhas).

Para evitar essa situação, é essencial usar repelentes e reaplicando-os a cada duas horas.

– Micoses também tem mais chances de acontecer no verão, pois os fungos se proliferam especialmente bem em ambientes quentes e úmidos, que é como fica a nossa pele no verão se não nos secarmos bem.

Quais são os sinais de alerta: Manchas brancas ou vermelhas entre os dedos dos pés (frieiras) ou em áreas de dobras (virinha, axilas e pescoço) e intensa coceira nesses locais.

O que fazer: Ir a uma dermatologista para ter certeza de que se trata realmente de micose e receber a orientação de que medicamentos usar para eliminá-la. Não passar antifúngicos até ter essa certeza, pois eles podem modificar a lesão e dificultar o diagnóstico e o tratamento específico para o caso.

Evitamos micoses tendo o cuidado de manter a pele seca; enxugando o corpo ao sair da piscina ou do mar e não ficando por muito tempo com roupas de banho molhadas; dando preferência a roupas de tecidos como algodão e linho, que deixam a pele respirar e não acumulam suor entre o tecido e a pele.

Nossos Cabelos no verão

– Os loiros podem ficar esverdeados por causa da água da piscina, isso ocorre por causa do sulfato de cobre usado no tratamento da água da piscina – isso mesmo, o culpado não é o cloro! Ele penetra na queratina, se deposita nos fios e dá aquela coloração esverdeada. Pode ocorrer em qualquer tom de cabelos, mas é muito mais visível nas loiras. Cabelos tingidos são mais suscetíveis, por geralmente serem mais porosos.

Quais são os sinais de alerta: Os cabelos ficam realmente esverdeados.

O que fazer: Molhar os fios com leite, deixar agir por cerca de 30 minutos e enxaguar. Ou pode ser usado o vinagre de maçã: fazer uma mistura de ½ copo de vinagre de maçã para um litro de água, aplicar nos cabelos por cerca de 10 minutos e enxaguar. Xampus antirresíduos também auxiliam na retirada do sulfato de cobre dos fios.

Como evitar: Mantendo os fios hidratados e saudáveis, para que eles não fiquem porosos; molhar os fios antes de entrar na piscina – os fios molhados dificulta a entrada do sulfato de cobre; em caso de cabelos ressecados, aplicando um leave-in nos fios – ele formará uma película ao redor dos fios, ajudando na proteção.

– Cabelos excessivamente ressecados podem ser causados porque o sal do mar e os produtos usados para manter a água das piscinas limpa e segura causam ressecamento dos cabelos; o sol e o vento contribuem na retirada da hidratação dos fios.

Quais são os sinais de alerta: Pontas duplas, pouco brilho, frizz, fios quebradiços e difíceis de pentear.

O que fazer: Hidratar muito os fios, escolhendo cremes cujo pH não ultrapasse 4,0 (quanto mais baixo o pH, mais ele sela as cutículas). Para cabelos secos, o recomendado é usar cremes com bases de mandioca, macadâmia ou coco; cabelos oleosos se dão bem com bases de abacate e cacau; para cabelos tingidos são indicados cremes à base de manteiga de karité ou camomila.

Como evitar: Se estiver na praia, passando o condicionador antes do xampu na hora da lavagem, para retirar os grãos de areia que ficam presos nos fios, e em seguida lavando os cabelos normalmente e hidratando-os uma vez por semana; lavando os cabelos com água morna, já que a água quente abre as cutículas dos fios, danificando-os e deixando-os mais expostos ao ressecamento.

Aplique essas dicas e aproveite a estação mais quente do ano!

Para mais dicas de saúde e bem estar, clique aqui.